A partir da próxima semana, será iniciada a articulação do CFTV (Circuito Fechado de TV) do cemitério São Salvador, no Parque Monte Líbano, ao novo sistema de monitoramento por câmeras da Cidade, o COI (Centro de Operações Integradas), cuja inauguração está marcada para 10 horas do próximo sábado (30 de setembro). O COI funcionará no número 3.003 da Avenida Engenheiro Miguel Gemma, no Jardim Armênia.

As informações são do secretário municipal de Segurança, Toriel Sardinha, e foram dadas aos parlamentares que compõem a CEV (Comissão Especial de Vereadores) dos Cemitérios em reunião realizada na tarde desta quarta-feira, 27. A Comissão foi criada para investigar e coibir os constantes furtos de peças do São Salvador, como placas, portões, castiçais, porta-retratos, entre outros itens que adornam as sepulturas.

Fazem parte do colegiado temporário de vereadores: Policial Maurino (Pode) — presidente —, Osvaldo Silva (REP), Edson Santos (PSD), Johnross (PSD) e Pedro Komura (PSDB).

“Vamos instalar as câmeras lá no cemitério São Salvador. Estamos esperando a inauguração do COI, que será realizada no próximo sábado. Não estamos dizendo ‘vai ter um dia’. O COI vai abrir no sábado, e as câmeras já estão compradas. Então, é questão de semanas para o cemitério São Salvador estar funcionando de forma integrada, com monitoramento inteligente, com o melhor da tecnologia adotada pelas chamadas smarts cities”, disse Sardinha.

Ainda segundo o secretário, as imagens captadas no cemitério São Salvador, com a conexão com o COI, passarão a receber tratamento de dados de sistema inteligente analítico.

“Tudo que for filmado no São Salvador irá direto para o COI. Assim, qualquer pessoa que entrar ali será flagrada pelas imagens, que irão direto para os operadores do COI. Assim, será possível enviar viaturas ao local imediatamente após as intercorrências”, comentou o secretário de Segurança.

Presidente da CEV, Policial Maurino disse que o trabalho da Comissão prosseguirá, apesar dos avanços já conquistados. “Vamos continuar com o nosso trabalho na CEV, cobrando, fiscalizando, e também colocando a população a par de todas as evoluções, que não são poucas. Queremos dar boas notícias aos mogianos, principalmente àqueles que  sofreram com os túmulos de seus parentes sendo violados.

Cerco aos ferros-velhos

Komura cobrou um trabalho mais intenso para coibir a receptação dos itens furtados do local.

“Precisamos combater a receptação. Até porque, geralmente, os estabelecimentos que compram peças furtadas ou sem procedência são clandestinos. É necessário identificar esse pessoal”, disse Komura.

De acordo com Sardinha, a Prefeitura está elaborando um projeto de lei para criar critérios de funcionamento para os ferros-velhos.

“Pretendemos criar com essa propositura alguns requisitos para manter ferro-velho aberto em Mogi. Por exemplo: eles serão obrigados a coletar o CPF daqueles que vendem as peças e itens para eles. Nesse projeto, vamos mexer também no horário de funcionamento. Ferro-velho que funciona de madrugada não está bem intencionado. Já peço o apoio dos vereadores desde já para aprovar essa nova lei”, disse Sardinha.

Johnross pediu a divulgação de um planejamento. “Não podemos negar que houve uma evolução nessa questão dos furtos no cemitério São Salvador. Antes, eram só reclamações. Mas esta CEV agiu e conseguiu várias providências por parte do poder público. Porém, precisamos que o Executivo informe esta CEV de forma mais específica em relação a prazos”.

O vereador Osvaldo Silva também quis saber dados mais concretos por parte do secretário. “Isso que o senhor falou do sistema inteligente já está certo ou será necessário mais verbas para que se consolide? Desculpe, mas precisamos assegurar que esses investimentos de fato aconteçam”.

Sardinha garantiu que sim. “Quando peguei o projeto do COI, não existia a previsão de integração. O COI seria apenas mais um ponto de monitoramento com inteligência artificial. Não havia previsão de integração entre as agências de monitoramento. O prefeito e eu visitamos as cidades que são referência em smart cities: visitamos Santos, Jundiaí, Barueri e Indaiatuba. Mudamos o escopo inicial do COI. Vamos trazer para todo o monitoramento da Cidade a integração entre as diversas agências. Entre esses pontos de integração é que surgem os cuidados com o cemitério.  É um pacote grande. Estamos licitando o sistema de monitoramento das escolas, que também serão integradas ao COI. O COI inicia suas operações agora, mas dentro de alguns meses teremos uma revolução na segurança de Mogi. Isso porque a inteligência artificial vai se retroalimentando. As informações vão chegando ao sistema e cada vez ele se refina mais”.

source